[Mania de Listas] As melhores leituras de 2017 da Tati

Por: Tatianne Dantas

[Esta lista foi originalmente postada no Twitter da Tati e tinha tantas ótimas dicas, que pedimos para reproduzir aqui. A Tati já teve algumas participações aqui no blog, falando sobre sua paixão por Flannery O’Connor e suas leituras favoritas de 2016]

tati1

História da sua vida e outros contos, de Ted Chang (Ed. Intrínseca)

Falei e refalei dele no Twitter durante muito tempo, devo ter lido umas dez vezes o conto do título durante o ano e fico sempre abismada com as coisas que ele traz..

41 inícios falsos – Ensaios sobre artistas e escritores, de Janet Malcolm (Ed. Cia das Letras)

2017 foi definitivamente o ano dos ensaios, em todos os sentidos. Esse livro é uma pérola, daqueles que estou sempre consultando principalmente pela engenhosidade da estrutura de alguns textos.

História da menina perdida, de Elena Ferrante (Ed. Biblioteca Azul)

2017, o ano em que acabei a história que se tornou uma das minhas preferidas da vida.

Não há lugar para a lógica em Kassel, Enrique Vila-Matas (Ed. Cosac Naify)

Vila-Matas escreve aquele tipo de livro que dá vontade de explorar tudo. Acho fascinante como ele mantém na escrita e no que ele conta a ambivalência entre curiosidade e melancolia.

tati2

O coração é um caçador solitário, de Carson McCullers (Ed. Cia das Letras)

Melhores personagens que encontrei esse ano <3

Argonautas, de Maggie Nelson (Ed. Autêntica)

Na categoria livros impossíveis de enquadrar em um gênero e livros em que cada parágrafo possibilita puxar a seta para mil outras coisas.

As coisas que perdemos no fogo, de Mariana Enriquez (Ed.Intrínseca)

Outro baita livro de contos, de uma força assustadora. Nem consigo dizer qual meu favorito, talvez só o que fiquei com mais medo.

Galiléia, de Ronaldo Correia de Brito (Ed. Alfaguara)

Livro com som e cheiro de sertão.

tati3

A cidade solitária, de Olívia Lang (Ed. Rocco)

Não sei se é o melhor livro que li este ano, mas com certeza o que fez mais sentido.

Como se fosse a casa- uma correspondência, de Ana Martins Marques e Eduardo Jorge (Ed. Relicário)

O abraço pela vida de caramujo carregando a caixa de fósforos nas costas que eu escolhi.

Fragmentos – sobre o que se escreve de uma psicanálise, de Luciana K. P. Salum (Ed. Iluminuras)

Eu não coloquei livros teóricos nessa lista mas esse é igual ao Argonautas, transcende um pouco os gêneros e faz pensar principalmente no que se transmite de uma experiência de análise.

Frantumaglia – o caminhos de uma escritora, de Elena Ferrante (Ed. Intrínseca)

O ano é dela!!!

Releitura que fis esse ano e sigo amando: Se um viajante numa noite de inverno, de Italo Calvino (Ed. Cia das Letras). Maior tratado sobre literatura que você respeita.

Tatianne Dantas, psicóloga com os dois pés enfiados na pesquisa em literatura e psicanálise. Cresceu no sertão e aprendeu que pode levá-lo para qualquer lugar do mundo. Seu poema favorito é Tabacaria. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *