[Mania de Listas] Melhores Leituras da Amanda

Ano terminando, chega a hora da listinha dos 10 mais e é sempre uma dificuldade. Para mim esse foi o ano do e-book (importado porque e-book nacional é caro pra caramba). Descobri meu amor pelo Kindle e mesmo com o dólar alto lí muita coisa legal (nada espetacular, mas me diverti bastante).
Mas vamos à lista, que como sempre, é bem eclética:
Os melhores de não ficção:
Sapiens – Uma breve História da Humanidade, Yuval Noah Harari (L&M)
Paquerei esse livro (em inglês) numa livraria durante uma viagem, mas só comprei ele quando voltei e descobri que já existia uma versão traduzida.
Nas suas mais de 400 páginas o autor conta a história da humanidade de forma concisa, mostrando o melhor e o pior o ser humano. É daqueles livros que não precisam ser herméticos e “metidos a intelectual” para gerar uma reflexão no leitor. Nunca ler sobre a História do mundo foi tão divertido
Como Chegamos até aqui, Stevem Johnson (Zahar)

A grande sacada deste livro é mostrar (com altas doses de bom humor) que muitas das grandes mudanças no rumo da história da humanidade aconteceram por causa de descobertas e invenções que foram o estopim para grandes transformações. Adoro o fato dele linkar fatos como surgimento espontâneo do do vidro (quando um areia rica em sílica é atingida por um raio, por exemplo) até as telas ultra-sensíveis nos smartphones. 
Se Sapiens conta a história da humanidade do ponto de vista do historiador, Como Chegamos até aqui conta a mesma história, mas do ponto de vista do cientista e o resultado desse ponto de vista é uma narrativa fascinante.
Origens: Catorze Bilhões de Anos de Evolução Cósmica,  Neil deGrasse Tyson. (e-book)

Eu sou um dos milhares de fãs de Neil deGrasse Tyason, o negão mais famoso da ciência e autor de um dos meus “motes” preferidos: “All the motherfuckers need science”.
Se os meus primeiros livros dessa lista contam a história da humanidade sob óticas diferentes, deGrasse Tyson conta neste livro espetacular o não menos espetacular inicio de tudo. De como o universo surge, passando pelo surgimento das primeiras estrelas, galáxias, até a origem da vida na Terra. 
Neil deGrasse Tyason nos leva (honrando o legado de Carl Sagan) a uma viagem no tempo que começa num passado remoto e nos traz até o presente e nos mostra que a origem do universo é de certa forma a origem de nós mesmos. O que eu mais gosto nessa história e saber que cada átomo de cada substância que existe em nós surgiu há muito tempo em estrelas há muito extintas. Somo feitos de poeira de estrelas e num futuro longínquo provavelmente faremos parte novamente de uma estrela ou de outro tipo igualmente espetacular de objeto espacial. Para mim, saber disso traz um consolo maior do que qualquer religião poderia me dar: a vida eterna existe, não num corpo humano ou espiritual. A vida eterna existe porque somos realmente parte do universo. Viemos dele e voltaremos pra ele. Não é lindo isso ?
Depois que descobrimos a origem de tudo começou uma boa ideia e saber como nos desenvolvemos, A História do Corpo Humano, de Daniel Lieberman (e-book) nos conta como o corpo do humano se desenvolveu a partir do nosso ancestral símio mais antigo até o Homo sapiens que somos hoje e como esse desenvolvimento influencia e é influenciado pelo nosso modo de vida atual. É especialmente interessante o capitulo em que ele mostra como o uso intensivo (ou a falta de uso) do nosso corpo pode causar ou agravar doenças que vão do diabetes até a miopia. Esse é daqueles livros que fazem você repensar seu modo de vida… não é?
Eu gosto de bichos e me interesso na forma como eles pensam, agem e reagem e esse ano li dos livros ótimos de um autor muito especial John Bradshaw:
Cão Senso (Record) foi o primeiro livro que eu comprei esse ano (bem no dia 2 de janeiro!). Se você gosta de cachorro e quer o melhor para o seu bicho, ler esse livro é fundamental. Para mim os pontos mais interessantes que ele aborda são as origens do cachorro domestico, o funcionamento do cérebro canino e como o olfato é importante para o cão. Passei a olhar meu cachorro com outros olhos depois que li esse livro.
Bradshaw é um cara democrático em suas preferencias por animais de estimação. Ele ama também os gatos e escreveu uma especia de “guia” para o dono do Felis catus. Gatos são muito mais difíceis de se “ler” que cachorros. São bichos semi-domesticados que têm particularidades que às vezes são pouco compreendidas pelas pessoas. Em Cat Sense, como em Cão Senso, temos as origens dos primeiros gatos domésticos e capítulos que falam sobre a cognação dos bichos, o impacto que eles podem ter sobre a vida selvagem e os “problemas” que eles enfrentam ao se tornarem bichos cada vez mais mantidos dentro de casa. Eu também tenho gatos e depois desse livro mudei muito a forma como convivo com essas adoráveis e enigmáticas criaturas.
Agora os de ficção, que são em sua totalidade “livros-mulherzinha”:
Concealed in Death, J.D Robb

Depois de New York to Dallas, J.D. Robb escreveu quatro outros livros que foram no máximo razoáveis. Temi que ela tivesse perdido o feeling para o thriller, mas felizmente me enganei! Concealed in Death mostra Robb em sua melhor forma com um história que mistura, na medida certa suspense, violência, romance e comédia.
O ponto de partida da trigésima oitava investigação de Eve Dallas  sim, esse é o de número 38 da série) é a descoberta de uma série de restos mortais de jovens escondidos nas paredes de um edifício que o marido de Eve, Roark está reformando. Quem são essas garotas? Por que e como foram mortas? Essas são apenas as primeiras (e principais) perguntas que Eve terá que responder para desvendar esse mistério. Gostei muito!
Loretta Chase e seu adorável O Príncipe dos Canalhas (Editora Arqueiro) foi uma das gratas surpresas do ano. Com uma escrita divertida, um herói feio, mas sexy, arrogante e (secretamente) sensível e uma heroína independente e temperamental ela escreve uma história com um certo toque de A Megera Domada. Não tem como não gostar desse livro.
Sarah MacLean escreve uns dos mais deliciosos romances históricos que eu já li. Em Entre o Amor e a Vingança (Editora Gutenberg), um marquês precisa se casar para recuperar suas terras. Uma mulher precisa se casar e bem, para que suas irmãs possam ter algum futuro na sociedade. Podia ser mais uma história de mocinha se apaixona por “nobre-badboy” se as heroínas de MacLean não fossem mulheres atormentadas pelos deveres que a sociedade impõe a elas e a necessidade de se imporem com pessoas independente e auto-suficientes. Elas anseiam por ter vida própria, por poderem seguir seus desejos, suas paixões (e não só no sentido sexual da palavra). A autora não nos ilude dizendo que elas (mulheres de seu tempo) conseguirão isso sozinhas, mas (e é isso que é interessante) as protagonistas conseguem a independência que procuram por meio de casamentos com homens de respeitam e estimulam esse comportamento nelas. Virei fã dessa autora.
Escorted, Claire Kent. (e-book)

Essa é uma daquelas histórias que poderiam descambar pra idiotice total ou o mal gosto absoluto, mas que consegue se tornar um romance bem legal: uma mulher virgem, depois de vários relacionamentos mal sucedidos, decide contratar um garoto de programa para resolver esse problema. Apesar a ambientação ser um pouco problemática e a autora se concentrar basicamente nos encontros dos protagonistas  ela consegue mostrar a evolução do relacionamento dos personagens. Como pouco a pouco uma relação que era para ser estritamente profissional (somente sexo pago) se torna pessoal. É interessante ver os personagens se envolvendo emocionalmente e os dilemas que eles vão enfrentando. Como tornar uma relação comercial em um relacionamento emocional sadio? É possível? Essas são as perguntas que nos fazemos mesmo depois de termos terminado o livro. Não é ótimo quando uma literatura de entretenimento te proporciona reflexões mais (digamos) profundas sobre a vida ?

Um comentário em “[Mania de Listas] Melhores Leituras da Amanda

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *