[Mania de listas] Melhores leituras da Michelle

Como todos os anos, resolvemos fazer uma série de listas com as melhores de 2015. Além da equipe do blog, chamamos colaboradores/amigos queridos para também nos contar como foi este ano nos livros (no resto nem vamos comentar, né?). Não nos prendemos a lançamentos. As listas aqui tratam das melhores leituras. A ideia é, além de se divertir (nós adoramos listas), ter preciosas dicas.

Para começar a série de listas deste ano, a Michelle Henriques nos conta como foi seu 2015 nas leituras.

10) A Ilha da infância (Karl Ove Knausgård)

Ano passado minhas duas melhores leituras foram do Karl Ove. É com grande tristeza que o coloco no último lugar desta vez. Não me entendam mal, o livro não é ruim, eu dei cinco estrelas, mas é diferente.

Os dois primeiros (A Morte do Pai e Um Outro Amor) são livros pesados, sinceros, cínicos, tristes. Este é apenas uma narrativa. Não uma narrativa ruim, é muito boa, mas eu senti muita falta da carga emocional dos outros livros.

09) Memórias de uma Beatnik (Diane di Prima)

Meu TCC foi sobre On the road do Jack Kerouac e eu me afundei no mundo beat. Na época eu não conhecia o feminismo, então nunca me liguei no fato de não haver mulheres no movimento. Elas estavam lá, mas nunca foram lembradas.

E este livro da Diane di Prima foi uma ótima surpresa. A narrativa é cheia de cenas desnecessárias de sexo (exigência do editor na época), mas é muito bacana saber como uma mulher vivia naquela época de escrita, jazz e paixões.  Minha resenha para o site da Alpaca.

08) Middlesex (Jeffrey Eugenides)

Meu primeiro contato com esse escritor foi através do livro As Virgens Suicidas (após ter visto o filme da Sofia Coppola). Gostei muito dele e fiquei mais que ansiosa quando foi escolhido para leitura de janeiro do [Leituras Compartilhadas].

E que ótimo começo de ano para as leituras. Envolvente, polêmico, melancólico. Dos preferidos da vida.

07) Ratos e Homens (John Steinbeck)

Ainda não consigo entender como que um livro tão pequeno e simples conseguiu me causar tanto impacto. Em poucas páginas o autor conseguiu criar uma das histórias mais bonitas que já tive a oportunidade de ler.

06) A Amiga Genial (Elena Ferrante)

Este livro não me pegou de cara. Eu demorei muito para entrar no ritmo dele e não estava gostando tanto assim.
Terminei a leitura sem entender o porquê de tanto alvoroço em cima dele.

Passadas duas semanas, fui escrever uma resenha sobre ele e parece que caiu a ficha. Aos poucos fui entendendo a importância dele e agora não consigo esperar pelo segundo volume.  Minha resenha para o site do Leia Mulheres 

05) São Bernardo (Graciliano Ramos)

Eu sempre achei que essa coisa de obrigar os alunos a lerem clássicos é um desserviço. O trauma que se cria é enorme e afasta ainda mais esses jovens da literatura. Aos poucos eu estou me livrando disso.

Após uma aula sobre este livro, em um domingo insone, peguei a obra para dar uma folheada. Só parei depois de chegar quase no final dele. Um dos grandes clássicos da nossa literatura!

04) A Arte de Pedir (Amanda Palmer)

Sempre fui fã da música da Amanda Palmer e ela foi uma das minhas primeiras referências de feminismo, então eu sabia que podia esperar coisa boa de um livro dela. E não de decepcionei.

É um dos livros que eu gostaria que a Michelle de 13 anos tivesse lido. Minha resenha para o site do Leia Mulheres.

03) A Garota da Banda (Kim Gordon)

Esses livros das mulheres do rock são certamente das melhores coisas que já li nos últimos tempos, mais um que eu gostaria que a Michelle de 13 anos tivesse lido.

Kim Gordon fala de forma franca sobre estar numa banda, ser casada com um músico, sobre amizades, feminismo. Só não consegue ser melhor que Só Garotos da Patti Smith. Minha resenha para o site do Leia Mulheres.

02) Stoner (John Williams)

Mais um livro que conheci graças ao [Leituras Compartilhadas]. Sabe aquele livro que trata do nada? Então, aí está Stoner.

Williams nos conta um pouco da pacata vida de um professor, suas perdas e pequenas conquistas, relações com as pessoas. Tudo muito simples. O grande ponto deste livro é a escrita, deliciosa, que envolve o leitor da primeira até a última página.

01) Histórias Híbridas de uma Senhora de Respeito (Carmen da Silva)

Sabe aquele livro que você descobre por acaso e se depara com uma pérola da literatura? Foi o caso de Carmen da Silva. Eu a conheci por causa da Clara Averbuck e logo comprei um exemplar no Estante Virtual. Ficou parado na estante uns meses, decidi ler nesse ano para poder resenhar e me vi diante de uma das melhores leituras da minha vida. Este livro precisava ser reeditado, pois trata de assuntos mais que pertinentes ao feminismo.

(Estou escrevendo essa lista no dia 04/12 e estou na metade de Sobre a Escrita do Stephen King. Ouso dizer que ele deveria estar nessa lista. Está sendo ótimo ler King, que eu não lia há muitos anos. Espero que ele termine ainda melhor e eu me arrependa de não colocá-lo aqui).

Michelle Henriques, 28 anos, louca dos gatos e dos livros. Vive em São Paulo, ama cinema, chá e dias chuvosos. É uma das organizadoras do clube de leitura Bastardas e do clube #leiamulheres

5 comentários em “[Mania de listas] Melhores leituras da Michelle

  1. Pingback: Butcher’s Crossing | O Espanador

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *