A Verdade é uma Caverna nas Montanhas Negras – Neil Gaiman

“Calum riu, como o latido de uma raposa.
– Os ilhéus sabem onde ela está. Mas são sábios o bastante para não virem até aqui buscar seu ouro. Dizem que a caverna nos torna maus: a cada vez que a visitamos, a cada vez que entramos para levar o ouro, ela devora o bem de nossas almas, e por isso eles não entram.”
Pg 52

Quando eu penso em Neil Gaiman, um adjetivo me vem a mente: Contador de Histórias. E essa qualidade é digna dos grandes escritores.

Examinando alguns dos livros do autor inglês, é possível descobrir uma preferência por escolhas de lendas, fábulas e mitos das histórias.

Parece confuso, mas vejamos por exemplo Deuses Americanos. A premissa do livro imagina que quando os Estados Unidos foram colonizados todos os povos que vieram pra cá trouxeram suas próprias crenças, seus deuses. Só que ao chegar aqui, esses deuses foram sendo cada vez menos adorados e foram aos poucos sendo substituídos por deuses mais novos, tecnológicos. Ao longo do livro temos contato com diversas mitologias, transformadas em pessoas aparentemente banais.


Em o seu último livro, O oceano no fim do caminho, é a magia que aparece, mas de uma forma sutil e com uma história ao fundo que mais parece uma lenda perdida no tempo.

Existem outros exemplos em muitos livros do autor, mas não é preciso continuar. Tudo isso pra chegarmos no livro de hoje.

A Verdade é uma Caverna nas Montanhas Negras é um conto que foi ilustrado por Eddie Campbell e foi lançado aqui no Brasil pela editora Intrínseca.

Conhecemos a história de dois homens, em um tempo distante (250, 300 anos atrás talvez?). Quem narra a história é um homem que procurou por dez anos um lugar chamado Ilha das Brumas. Dizem que nessa ilha existe ouro, mas não parece tão fácil de encontrar. Ele chega na casa de um homem que procurava, chamado Calum MacInnes. Ele é um border reaver (não existe uma tradução, mas ele é uma espécie de guardião, andarilho das fronteiras) e conhece o caminho que leva às montanhas. Mas Colum o alerta: Não vai ajudar a trazer nenhum ouro, que ele só pode trazer o ouro que ele conseguir carregar.

Apesar de curto, é muito impressionante como Gaiman consegue nos causar sentimentos tão fortes em poucas páginas. A questão da busca do ouro e a ganância dos homens já foi retratado em diversas formas ao longo do tempo. Mas Gaiman consegue acrescentar alguns elementos ao conto.

Vale destacar as ilustrações de Eddie Campbell, que casam perfeitamente com o texto sombrio de Gaiman. O formato cabe numa descrição de livro ilustrado, mas em vários momentos flerta com a graphic novel. Eu gosto desse formato por realçar as belas ilustrações de Campbell.

Gaiman lendo um trecho do livro:

[youtube=https://www.youtube.com/watch?v=ZtEow0U114Q&w=320&h=266]

Ps. 1 – As Montanhas Negras na verdade são as Black Cuillins na ilha de Skye, conhecida como Ilha Alada ou ainda como Ilha das Brumas, na Escócia.
Ps. 2 – Gaiman dedica o livro a Otta F. Swire, autora de livros infantis e que viveu e escreveu histórias sobre as Ilhas Skye.

A Verdade é uma Caverna nas Montanhas Negras
Neil Gaiman (texto)/ Eddie Campbell (Ilustrações)
Tradução: Augusto Calil
Editora Intrínseca

80 pgs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *