[Leituras Compartilhadas] 1 ano!

Por: Rafael Kalebe

Há um ano começamos um dos projetos mais gratificantes d’O Espanador: o [Leituras Compartilhada]. Nem nos meus melhores sonhos eu imaginava que a experiência do Clube de Leitura fosse ser tão especial.

Cada uma das leituras consegue trazer algo novo, um pensamento, um argumento, e esse exercício foi o que mais aprendi. A leitura é uma coisa pessoal e que pode mudar pra cada pessoa. Ainda que esse seja o normal, o Clube de Leitura permite compartilhar as impressões e, mais do que isso, expande muito mais a experiência da leitura. E como se isso não fosse o suficiente, ainda conhecemos pessoas que tornaram isso tudo ainda melhor.

Como este mês fizemos uma parada estratégica, já convidamos todos os leitores para o encontro de agosto, que promete ser incrível:


Um pouco sobre a história do [Leituras Compartilhadas].

O [Leituras Compartilhadas] começou com a ideia de fazer um clube de leitura que tivesse um pouco das características d’O Espanador, de fugir das leituras óbvias e que tivesse a ver também com a Livraria da Vila (que em algum momento da vida foi a casa de todos os Espanadores).

Já havíamos pensado em algum tipo de clube, mas o convite veio da querida Daniela Nunes, responsável na época pelo marketing da Livraria da Vila. Mas logo surgiu a dúvida sobre a escolha dos livros, o local, a data e todas as outras coisas práticas.

A melhor decisão que tomamos foi a escolha do tema do 1º semestre: Literatura Latino Americana. Não só por gostarmos dos livros, mas por pensarmos que é muito bom falar das nossas preferências, da ideia simples de incentivar as pessoas a lerem mais os autores Latinos.

A escolha do primeiro livro foi foi simples: Estrela Distante, do Roberto Bolaño, um autor especial e querido do blog. A discussão foi excelente, com vários olhares para uma mesma situação e pontos de vista extremos em vários momentos. Melhor começo impossível.

Na sequência falamos sobre o querido Mario Bendetti e seu Primavera do Espelho Partido (contra aqueles que preferiam o seu livro mais conhecido aqui, A trégua), que dividiu a platéia, mas mesmo assim, Benedetti é o cara.

No terceiro encontro aprendemos que a pergunta que sempre fazemos desde o primeiro Clube é mais que válida: Esse livro dá discussão? Rende uma boa conversa? Tudo isso porque o livro escolhido foi um que todos adoramos: A fantástica vida breve de Oscar Wao, do Junot Diaz, que mesmo sendo incrível, não deu pra ter uma boa conversa, pois todos gostaram do livro e foi isso.

O Clube seguinte foi o livro mais ‘difícil’ até agora, com a escolha de As Nuvens, do argentino Juan José Saer. Não era uma escolha simples e mesmo com uma leitura que exigiu muito de todos, tanto a leitura, como a conversa foram gratificantes.

Ah, uma informação importante. Durante o clube existe uma apresentação de duas ou três opções sobre a escolha do próximo livro. Para quem ainda não viu, posso dizer que é o momento de emocionar, conquistar a platéia e conseguir o voto. Cada escolha é um duro embate.

E até mesmo por isso a escolha do livro de novembro não foi fácil. Apresentei Crônica de uma morte anunciada (Garcia Márquez) versus Pantaleão e as Visitadoras (Vargas Llosa) e perdi. Mas apesar de tudo isso, a leitura foi ótima e a conversa ainda melhor.

Pra escolha do livro de férias, pois em dezembro demos uma parada, pensamos em um livro um pouco maior do que a média (existe uma preocupação com o tamanho do livro, porque pode ficar inviável um encontro mensal de livros gigantes), afinal o próximo encontro seria somente em janeiro. O escolhido foi Liberdade do Jonathan Franzen e suas mais de 600 páginas. Muitas polêmicas com o livro que já veio muito badalado da época do seu lançamento.

Em fevereiro, As Brasas,  do Sándor Márai e um dos melhores encontros do Clube. Motas pessoas novas apareceram, e a conversa fluiu absurdamente. Tivemos até de interromper por conta do horário.

Em março foi escolhido um livro com uma estrutura diferente de um autor excelente: Verão do sul-africano J.M.Coetzee.

Abril foi mais um daqueles livros que acabam com o leitor: A Caixa Preta, de Amós Oz. A leitura foi devastadora para muitos e por isso mesmo uma excelente conversa.

Maio foi um caso curioso. O livro escolhido, Precisamos Falar sobre Kevin, da fantástica Lionel Shriver já era esperado a polêmica, mas a conversa conseguiu tomar outros rumos e teve até participação de uma amiga especial por Skype. Foi um daqueles casos em que parecia que o livro quase que foi deixado de lado e as ideias foram transformadas em realidade, conversando um pouco sobre o que acreditamos. Foi lindo.

O livro de junho foi o primeiro livro que praticamente todas as pessoas não gostaram: Cordilheira, do Daniel Galera, foi detonado. Mas mesmo assim o clube foi excelente. Acho que essa é a prova de que os encontros são tão bons. Mesmo quando o livro não ajuda em nada, as pessoas tornam o encontro ótimo.

Sabemos que o correto seria fazermos um encontro esse mês, para aproveitar a data, mas ao invés disso pensamos em fazer do próximo encontro, uma comemoração. No próximo mês, falaremos sobre O Jogo da Amarelinha do mestre Julio Cortázar (que completaria 100 anos no dia 26 de agosto).

Quem puder aparecer, tenho certeza que vai ser incrível.

A todos aqueles que participaram do [Leituras Compartilhadas] eu agradeço muito. E também agradeço todos aqueles que torceram e mandaram energias positivas pra todos nós.

Isso tudo se tornou possível com a ajuda de todos.

Esperamos vocês no dia 22 de agosto.

Um comentário em “[Leituras Compartilhadas] 1 ano!

  1. Ê!!! 1 ano de Leituras Compartilhadas!!!
    Parabéns, galera! O primeiro ano de muitos outros <3
    Fiquei apenas um pouco triste (mentira, fiquei muito!!!) ao ver que não li nem um dos livros escolhidos para o clube, o que quase cheguei a ler inteiro foi Primavera num espelho partido… Falando nele, preciso lê-lo inteiro dessa vez (não apenas as partes de Dom Rafael #divo)
    Espero poder participar do encontro de “O jogo da amarelinha” já que estou animada em ler (finalmente!!!) esse livro.
    PS: adoro os convites do clube.
    PPS: acabo de eleger o meu convite preferido: Cortázar tá divo!

    Beijos!

  2. Que bacana!! Eu e a minha amiga que escreve pro meu blog também vamos homenagear o Cortázar mês que vem com uns posts temáticos e resenha de alguns livros dele. Beijo. 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *