A Casa de Hades

“- Temos de beber – disse Annabeth.
Percy hesitou com os olhos semicerrados. Ele contou até três antes de responder.
– Er… beber fogo?
– O Flagetonte corre do reino de Hades para o Tártaro. – Annabeth mal conseguia falar. Sua garganta estava fechada por conta do calor e do ar ácido. – O rio é usado para punir os maus. Mas além disso… algumas lendas o chamam de Rio da Cura. (…)
– Mas isso é fogo. Como vamos…
– Assim. – Annabeth enfiou as mãos no rio.
Burrice? Sim, mas ela estava convencida que não tinham escolha. Se esperassem um pouco mais, iriam desmaiar e morrer. Era melhor tentar algo idiota e torcer para funcionar.
Ao primeiro contato, o fogo não era doloroso. Ele parecia frio, o que provavelmente significava que era tão quente que estava sobrecarregando os nervos de Annabeth. Antes que pudesse mudar de ideia, pegou um pouco do líquido flamejante nas mãos em concha e levou à boca.” pg 42

Falar do penúltimo livro de uma série é difícil. Dar spoilers parece um pouco inevitável. Mas não pretendo ser dessas. Quero tentar convencer vocês de que Rick Riordan é um grande fanfarrão e que “Heróis do Olimpo” é uma ótima série juvenil de aventura.

Apesar de cada um dos livros da série ter uma missão própria que os personagens precisam passar, cada volume mostra os inúmeros percalços que os personagens precisam passar para chegar ao momento em que a profecia que guia a coleção (o que aparentemente acontece no próximo volume) se concretiza. E a profecia nos diz o seguinte:

“Sete meios-sangues responderão ao chamado.
Em tempestade ou fogo, o mundo terá acabado.
Um juramento a manter com um alento final,
E inimigos com armas às Portas da Morte afinal.”

Em A Casa de Hades Annabeth e Percy caíram nas terras de Hades (de alguma forma que vocês precisam ler o livro anterior para saber) e precisam encontrar uma saída. Afinal, o Tártaro está superlotado de monstros e criaturas que já passaram pelas vidas de nossos heróis. Sede de vingança num ambiente totalmente inóspito não parece ser uma boa ideia para os dois. E os demais heróis que também rumam em direção à profecia final estão pela superfície procurando o casal. Não sem uma série de obstáculos e desvios de caminho.

Como nos livros anteriores, os capítulos intercalam os narradores. O recurso pode ser bem comum, utilizado em tantos lugares, mas o bacana é que não apenas temos acesso ao ponto de vista de vários personagens de determinado acontecimento, mas o autor complementa isso com sonhos, conversas, premonições e lembranças, dando uma certa profundidade aos personagens. Nos mostra como cada um se encaixa nessa profecia final, mas como individualmente, cada um tem um fantasma para exorcizar. Algumas coisas nesse momento podem parecer não fazer diferença, mas acredite… Se bem conheço o sr. Riordan, cada pontinha será costurada no final e as coisas farão todo o sentido. Por enquanto, eles nos intrigam e nos fazem querer o próximo o mais rápido possível (já pesquisei e o próximo só em outubro… Ai meu coração!).

Dos livros da série, esse é o mais cheio de ação. É como se quanto mais próximos eles chegam da profecia, mais provações eles precisam passar. E são muitas coisas! Mais uma vez Rick Riordan nos apresenta (ou pra quem já conhece, faz revisitar) uma série de mitos, dos mais conhecidos aos um pouco mais “obscuros”. E assim a narrativa se torna ainda mais dinâmica. Só estranhei em relação ao final. Claro que ele deixa o gancho para o próximo da coleção, mas é como se após as resoluções (ou falta delas) deste volume, um epílogo acalmasse um pouco o nosso ânimo.

E com isso Rick Riordan se consolida ainda mais no meu gosto por livros juvenis (sem essas milhões de classificações novas, uma grande pataquada na minha opinião). Ele constrói livros de aventura, gostosos de ler, com um fundo de mitologia greco/romana bem bolado e com algumas piadinhas espirituosas entre um percalço ou outro.

[Uma observação besta: Ler os capítulos em que Percy ou Annabeth narram suas aventuras pelas terras de Hades nesse nosso verão deixam a coisa um tanto mais realista, acreditem!]

A Casa de Hades
Autor: Rick Riordan
Tradução: Alexandre Raposo e Edmundo Barreiros
Editora Intrínseca
478 pgs

PS – Resenha dos outros livros da série “Heróis do Olimpo”
 O Herói perdido
Son of Neptine
The mark of Athena

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *