Serie “De Repente…”

Há algum tempo as editoras no Brasil parecem ter descoberto que publicar literatura feminina além de não ser uma “vergonha” é muito lucrativo. Vários selos com foco nesse tipo de literatura têm surgido e o Única, da Editora Gente é um dos mais recentes. Nele foi publicado a série “De repente…” da canadense Susan Fox.  Fox é uma autora que privilegia a literatura dita “erótica” e nessa série ela explora o “romance sensual” em trens, aviões, carros e navios. 

Todos eles já estão publicados no Brasil: De repente o Amor, De repente é Ele , De repente, o Destinoe De Repente o Desejo. As protagonistas são as irmãs Fallon e esses três primeiros livros contam a viagem das irmãs mais velhas rumo á Vancouver para o casamento da mais nova. No ultimo, a história é sobre a “reinvenção” do relacionamento da irmã mais nova e o noivo.  

O primeiro que eu li foi De repente é o Amor. Nesse Kat Fallon a irmã #2 que, apesar de ser uma bem sucedida trabalhando em um hotel de luxo, não é tão bem sucedida em seus relacionamentos: ela só namora tranqueiras. O fato da irmã mais nova estar para se casar e ela sem nenhum homem para levar para o evento a incomoda. Mas ela tem um vizinho, lindo e gente boa que ela convence a ir como seu acompanhante. O que ela não sabe é que Nav (o vizinho bonitão) é apaixonado por ela desde sempre. Kat tem medo de avião e irá fazer a viagem até Vancouver de trem. Nav vê a oportunidade de tentar seduzi-la e a cada parada ele se “transforma“ num desconhecido sexy. No começo ela entra na brincadeira, mas depois se vê dividida entre assumir esse relacionamento ou manter a amizade de Nav.

O segundo que eu li foi De repente é Ele. Nesse a irmã #3, Jenna, está saindo da Califórnia rumo a Vancouver quando seu carrinho velho quebra. Sem dinheiro para o conserto, ela deixa o carro no mecânico e arruma uma carona com um biólogo que também está indo para o Canadá. Ela é um “espírito livre”, não acredita na monogamia e na maioria das regras sociais. Mark, por outro lado, é racional e centrado. Não que ele esteja procurando sua alma gêmea, só acredita que sua vida de solteiro é uma boa coisa. Durante a viagem até o Canadá. Eles vão se conhecer e iniciar um relacionamento que se revelará diferente de tudo o que já viveram até então.

Em seguida, li De Repente, o Destino. Nesse a irmã mais velha Theresa, que mora na Austrália está num voo de volta para casa, e conhece Damien Black escritor e símbolo sexual australiano. Theresa já foi casada e com o fim traumático de seu casamento se tornou desconfiada dos homens em geral. Já Damien está cansando de ser considerado um símbolo sexual e ficar pulando de cama em cama. Quando ele conhece Theresa que parece não se impressionar por ele, Damien percebe que ela é um desafio que não pode resistir.

O ultimo lançamento, De Repente o Desejo, fecha a saga das irmãs Fallon com a história da irmã caçula cujo casamento é o mote para as irmãs voltarem pra casa e conhecerem os homens incríveis que elas conhecem. Merilee é apaixonada por Matt desde os sete anos, eles são aparentemente feitos um para o outro. Mas quando as irmãs voltam com homens à tiracolo e historias de romance e sexo tórrido, Merilee começa a se perguntar se está fazendo a coisa certa ao se casar com Matt e continuar no relacionamento “confortável” que os dois têm. Por conta disso, resolve cancelar o casamento dois dias antes da cerimônia. Claro que o noivo não aceita bem essa decisão, ele fica magoado e confuso. Merilee quer romance, quer paixão e Matt parece não perceber isso. Na verdade ele é um pouquinho machista, com pensamentos do tipo “moça de família não faz isso entre quatro paredes”.  Mas, apesar de magoado, ele não se dá por vencido e na viagem que seria de lua-de-mel eles vão se enxergar com novos olhos e tornar a relação bem mais apimentada.

Os livros têm características parecidas: mulheres que resistem a se envolver além de sexualmente com os homens que conhecem. É interessante que sejam elas e não eles que fujam dos relacionamentos “sérios”. Cada uma tem suas razões: para Kat é o medo de perder o melhor amigo, Jenna teve um relacionamento na adolescência que terminou de forma trágica e Theresa foi enganada pelo marido e acabou divorciada. No caso de Merilee, a mocinha do ultimo livro, essa “resistência” se deve mais ao fato de achar que o namorado de longa data e único amante que ela teve, possa ficar chocado caso ela proponha algo mais ousado na cama.

Cada livro revela um pouco das irmãs e a competitividade que de forma inconsciente (ou não) os pais incentivaram. Elas são muitas vezes críticas e cruéis umas com as outras, sentem inveja das vidas mais interessantes e plenas que as outras irmãs têm. O fato de Merilee, a irmã que vai casar, ficar brava porque acha que vai deixar de ser o centro das atenções já que as irmãs mais velhas chegaram em casa com homens “perfeitos” diz muito sobre a dinâmica dessa família. Além disso, elas sentem um ressentimento pelos pais, que elas culpam por, de alguma forma, influenciarem nas más decisões que elas tomaram. É uma tensão constante a cada e-mail e telefonema que elas trocam. Outro ponto interessante é que os personagem masculinos que fogem um pouco do padrão “loiro-príncipe” ou “moreno-badboy”. Nav, de De Repente, o Amor, é indiano. Tudo bem que ele foi criado em Londres e é cosmopolita o suficiente para, no livro, não parecer um indiano típico, mas no fim o importante é o exotismo do moço. Já Daniel Black, de De Repente, o Destino, é meio nativo australiano e meio chinês, mais um homem exótico. Para compensar Mark Chambers e Matt são suficientemente clichês para que não fiquemos “traumatizadas” com tanto exotismo… Brincadeira à parte, acho que isso revela um pouco a tendência de personagens com um aspecto fisicamente mais globalizados, que podem ser reconhecidos por leitoras fora do eixo EUA-Canadá-Inglaterra, que são o grande mercado consumidor desse tipo de livro.

Finalmente a parte erótica. Devo dizer que apesar de grande fã de uma sacanagem, chega uma hora, nos livros, que o sexo fica meio chato, como num filme pornô. Com exceção do ultimo livro, em que os personagens já se conhecem e estão se redescobrindo, parece que a única preocupação dos personagens é só transar. Como diz um personagem de um dos livros de Nora Roberts “se você passa tanto tempo transando, como você vai conhecer a pessoa?” Eu fico com a impressão que os casais desses livros estão sob influencia de algum hormônio erótico, já que do meio do livro em diante basicamente só tem sexo detalhadamente descrito. Sou mulher e, como a maioria das mulheres prefiro um sexo implícito que um sexo explicito. Além disso, com tanto sexo falta espaço para o que é a característica principal de um livro “mulherzinha”: a construção de um relacionamento. Embora no fim, tudo acabe dando certo e os conflitos se resolvam, fiquei com a sensação de que poderia ter mais conversa que sexo.

No geral são livros bem interessantes, fogem das histórias de mocinhas perfeitinhas e mocinhos salvadores, e isso é bem legal. Os personagens são menos fisicamente e psicologicamente estereotipados e revelam seu lado “feio” em varias passagens dos livros, outro ponto positivo na serie. Isso é mais que a maioria das histórias disponíveis hoje em dia. Apesar de achar que poderiam ter menos sexo o livro em sua maior parte tem uma sensualidade interessante. São livros bem cuidados, com capas bonitas papel fosco gostoso de ler, boa tradução e preço competitivo. É sempre bom saber que apesar dos críticos, o romance mulherzinha tem cada vez mais editoras dispostas a apostar neles. 
De repente o amor
Autora: Susan Fox 
Tradução: Alice Klesck
Editora Unica, 2013
364pp
De repente é Ele 
Autora: Susan Fox
Tradução: Tatiana Leão
Editora Unica, 2013
382pp.
De repente o Destino
Autora: Susan Fox
Tradução: Julio de Andrade Filho
Editora Unica, 2013
382pp.
De repente o Desejo
Autora: Susan Fox
Tradução: Julio de Andrade Filho
Editora Unica, 2013
382pp.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *