Jabuti – 2010 – Ilustração




Agora posso falar?
EU JÁ SABIA! rs
O primeiro colocado já era algo esperado. Se bem que cheguei a ficar em dúvida se O Lobo não levaria. Não desmerecendo as belas aquarelas de Elisabeth Teixeira, concordo que, entre os concorrentes deste ano, Já Já – A história de uma árvore apressada merecia destaque. E por quê? Bem, antes de justificar, cabe fazer uma pergunta: Vocês sabem o que é marchetaria? Não é algo simples. Consiste em fazer uma espécie de mosaico de encaixe perfeito com pedacinhos de madeira. A primeiro olhar parece uma pintura, mas não se engane, são pedaços de madeira meticulosamente cortados para criar uma imagem de surpefície lisa. E não é que o ilustrador (e também autor) deste livro resolveu utilizar esta tecnica para as ilustrações? Achei um caminho muito coerente, que poderia parecer obvio, mas não é, utilizar madeira para ilustrar a história de uma árvore. A mensagem é delicada, e o que faz deste um bom trabalho é o cuidado com a organização de tons e texturas para diferenciar cada parte do desenho. As composições em si não são o que de mais bem feito já foi feito de marchetaria, mas de uma composição extremamente simples, Paulo Rea conseguiu tirar expressão. Acho o passarinho um show a parte. Interessante reparar que o enquadramento sempre alianhado a direita, apenas na última página vira o foco, para você ser capaz de enxergar além.

A história ajuda. O texto é leve, ritmado. Conta toda a pressa de crescer para depois perceber que de nada se leva com isso. Com o tempo chega a sensação de que ele não corre mais, passa a ser demorado e ciclico. Poucas são as novidades. Mas quando o já não mais pequeno jacarandá acredita que o que lhe resta é esperar o fim, percebe que ele faz parte de um recomeço, do ciclo da vida.
Boa leitura para as crianças valorizarem mais os instantes (como se elas já não fizessem isso). E para os pais que se colocam no lugar de Já Já, perceberem os novos começos dos quais fazem parte.
O empate do segundo lugar não poderia ser a toa. Similaridade de discurso narrativo, a aproximação com algo factível, dentro de cada publico alvo (O Lobo, infantil; Marginal: esquerda, juvenil). As histórias são fortes, de um lado uma criança que procura no sonho o refúgio e as respostas para a realidade. Do outro lado um menino que encara as diculdades de se atingir objetivos em situações não tão favoráveis. O final também é próximo, fica em aberto se eles conseguem de fato o que querem. Quanto a narrativa visual, acredito que também tenha sido bem próximo do público alvo. Narrativas simples, com mais dramaticidade para o público juvenil de Marginal: Esquerda.
Mas uma coisa me encomodou no O Lobo. Quando comecei a ler o livro, achei que eles tiveram a mesma sacada de Sendak em Onde vivem os montros, com enquadramentos diferenciados para o real e o sonho. E até mesmo parecia poético, porque o sonho merecia uma folha sangrada, enquanto a realidade se resguardava a pequenos enquadramentos centralizados. Mas superestimei. Sem nenhuma ruptura na narrativa que justificasse essa mudança, esse perfil passou a oscilar e não ficou mais claro se era ou não um recurso narrativo essa troca de plano. Uma pena, seria ótimo se fosse.
Quanto ao empate do terceiro lugar, bem, eu sinceramente acredito que não era merecedor de divisão o premio. O tamanho da gente tem graça e leveza, é objetivo sem deixar de ser lúdico. Gosto dessas brincadeiras de aproximação com um traço mais infantil na ilustração, em certos casos gera mesmo uma identificação maior por parte dos menores. Já em Passarinho Que Não Queria Ser Cantor, não existe algo de incomum. É bem feito, sim. Mas normal. Ok, vai, merece uma colher de chá, já que os textos da Ruth Rocha, por terem um perfil claramente educativo e didático, não dá muita margem as entrelinhas. Até mesmo não permitem em muitos casos, para que a imagem seja um gracioso reforço do texto. Nisso o ilustrador atingiu seu objetivo.

Devo dizer que este ano não foi dos melhores. O primeiro lugar do ano passado, de Odilon Moraes, não tem comparação, é muito melhor.

.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *